Conselhos do Oriente
Você está desconectado. Clique para entrar.

Tarot Egípsio

O Tarot Egípcio fornece informações importantes ao consulente em vários setores de sua vida. Os aspectos sagrado e terapêutico se unem para dar ao consulente respostas concretas para a tomada de decisões.

A leitura de Tarot Egípcio tem como objetivo promover uma reflexão e um “encontro consigo mesmo” para o consulente, pois suas cartas tem caráter iniciático. Portanto, o Tarot Egípcio pode ser um importante instrumento para o aconselhamento terapêutico, pois ajuda o consulente a encontrar suas próprias respostas através do contato com sua sabedoria interior, pois sua leitura tem abordagem arquetípica. Esse aconselhamento ajuda o consulente a compreender a lei de causa e efeito, a qual rege todos os acontecimentos passados, presentes e futuros, trazendo então a compreensão de si mesmo e a consciência de seu poder pessoal.

O Tarot Egípcio mostra possibilidades, tendências e opções de caminhos para que o consulente possa, através de seu livre-arbítrio, sintonizar-se com o Universo e agir de forma positiva em suas decisões, redefinindo os rumos de sua vida. Seu aconselhamento é uma rota para a revelação interior, um farol que ilumina os pontos obscuros da alma, permitindo que o consulente faça suas próprias escolhas na vida.

Segundo Sérgio Geraldo Linke, presidente e professor da Associação Gnóstica de Brasília, “ o Tarot Egípcio é a fonte original de onde foram adaptados todos os outros tarots. Ele é o mais completo e o mais complexo de todos, o que exige maior preparo do tarólogo. Ele é um instrumento psicológico e intuitivo capaz de desvendar com clareza o que está oculto por trás de uma situação. É um instrumento preciso, que traz uma série de símbolos, alfabetos e cenas mitológicas que formam os arquétipos dos caminhos pelos quais o consulente pode direcionar sua vida, seja por seu livre-arbítrio ou pela lei do Karma. Ele pode ser usado de forma iniciática ou oracular. O modo oracular é aquele que mostra a tendência de cada situação, indicando quais os elementos invisíveis estão agindo para o desfecho de uma determinada situação, sejam eles de origem externa (circunstâncias) ou interna (atitudes e emoções do consulente ou das pessoas envolvidas). Dessa forma pode-se ter uma idéia aproximada do que o Destino reserva para uma determinada situação”, finaliza Sérgio.

As cartas do Tarot Egípcio são riquíssimas em detalhes e simbologia e se expressam através de 3 planos, representando a ação no mundo físico, emocional e espiritual do consulente. Cada plano oferece diversos recursos para a leitura através dos significados astrológicos, numerológicos, das letras hebraicas, do significado das cores e de outros símbolos nele contidos, que associados às várias combinações das cartas ampliam a eficácia do aconselhamento.

O Tarot Egípcio é um tarot transcultural, ou seja, baseado na mitologia egípcia. O seu diferencial está nos arcanos menores, em não existem os naipes explícitos, mas sim a simbologia da hierarquia da sociedade egípcia.

Os arcanos menores começam com os reis, indo em ordem decrescente até os ases. O naipe de paus representa o povo, o comércio, os artesãos e a navegação. O naipe de copas representa as emoções, os artistas, pintores, escultores, músicos e dançarinas. O naipe de espadas representa os guerreiros, soldados e a casta militar. E o naipe de ouros representa a vida material e financeira em geral, a especulação financeira e a vida do Faraó.

Existem muitos estudos e pesquisas feitos sobre a verdadeira origem do tarot, mas nenhuma completamente comprovada .Uns dizem que foi na Itália, na França, na Espanha e até mesmo no oriente, como na Índia ou na China. Alguns acreditam ainda que o jogo foi criado pelos ciganos que o espalhou pelo mundo.
Alguns pesquisadores dizem que o tarot surgiu nos povos de Atlântida e Lemúria, e que quando os mesmos previram o desaparecimento de suas terras devido a um grande cataclisma ( semelhante ao dilúvio), enviaram seus sábios para diversas partes do mundo para que revelassem os segredos dessas cartas misteriosas à outros povos, ao permitindo, portanto, que o oráculo caísse no esquecimento e perpetuando sua sabedoria nos quatro cantos do mundo.

A escritora Edelweiss Cagno nos conta que segundo a tradição os sacerdotes egípcios foram os herdeiros da sabedoria de Atlântida, e portanto, os guardiões dos mistérios sagrados. O sumo-sacerdote, ao prever um longo período de decadência espiritual da humanidade e de perseguição aos mistérios sagrados, reuniu no templo todos os sábios sacerdotes do Egito, para que juntos encontrassem uma maneira de preservar da destruição os ensinamentos iniciáticos, os conhecimentos adquiridos e todos os mistérios revelados herdados dos habitantes de Atlântida e transmiti-los às futuras gerações. Foi então que os sacerdotes egípcios criaram um sistema de jogo para preservar os ensinamentos da destruição e fazer com que os mesmos chegassem até nossos dias. Foram criadas então as 78 lâminas do tarot, que eram pequenas lâminas de ouro sob a formato de jogo, que foi uma maneira encontrada de transmitir os ensinamentos aos iniciados sem levantar nenhuma suspeita aos leigos sobre o verdadeiro tipo de conhecimento ali contido. Dessa forma não comprometiam os sagrados mistérios, pois ao invés de escrever numa linguagem comum compreensível às pessoas comuns, eles codificaram sua doutrina num simbolismo hermético, que apenas os iniciados poderiam entender, em qualquer parte do mundo.

O médico e ocultista francês Gerard Encause (1865-19160), mais conhecido como Papus, defendeu a tese que os sacerdotes egípcios, prevendo a decadência de sua civilização devido às muitas invasões que viriam, reuniram-se para definir como passar os ensinamentos do tarot às futuras gerações para que não caíssem no esquecimento. Daí surgiu a idéia de que os segredos deveriam ser guardados nas pirâmides, uma criação que duraria por toda eternidade, mas que poderiam ser destruídas pelos homens. O mais sábio dos sacerdotes, ao perceber que as pessoas gostavem muito de jogar, sugeriu que confiassem a tradição ao vício, pois somente isso difundiria o oráculo à toda humanidade. Assim, resolveram “imprimir” as figuras do tarot em lâminas de ouro, com todas as suas mensagens simbólicas, transformando seus ensinamentos em jogo.
Com o tempo, a tradição foi se estendendo para o resto do mundo, sendo muito usado na Europa, principalmente Itália, Espanha e França. Posteriormente, os ciganos se encarregaram de difundir a tradição pelo mundo todo, e dessa forma cada nação desenvolveu seu próprio baralho.

Os ciganos, para serem aceitos, se diziam descendentes dos nobres egípcios, se autodenominando “egiptanos”, por isso passaram a chamar as lâminas de “ tarot dos egípcios”, levando-as por toda Europa e para os quatro cantos do mundo. A tese de que o tarot surgiu no Egito é ainda reforçada devido à incrível semelhança entre as figuras das lâminas com as representações gráficas e pinturas do Antigo Egito. São visíveis as semelhanças entre os arcanos maiores e as gravuras existentes nos templos sagrados.
Outro fato que reforça essa tese é o de que a carta 3 ( A Faraó, no tarot egípcio ou A Imperatriz, no tarot tradicional) vem antes da carta 4 (O Faraó, no tarot egípcio ou O Imperador, no tarot tradicional). Sabe-se que após a III e IV dinastias do Antigo Egito, como resquícios do matriarcado no que se refere à hierarquia na regência, dava-se preferência à mulher sobre o homem e este princípio é visto ao longo de toda história do Egito.
Outros defendem a idéia de que o tarot nasceu de uma cultura milenar, originária do “Livro de Thoth”, a chave de toda a sabedoria do Antigo Egito.